"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles

28/11/2013

Post rápido sobre o mensalão

Nadando contra a corrente, não falei aqui da AP 470; o assunto tem sido tão destrinchado que não pretendo repetir o que já falaram. Reporto-me à minha opinião expressa aqui, onde é feita a denúncia política de algo que -só não vê quem não quer- é essencialmente político. Mais do que nunca, em todo esse episódio mostra-se o quanto a Justiça (com toda a complexidade e contradições da palavra) oscila ao sabor dos grupos dominantes.

Nada obstante, há que consignar o seguinte: os desmandos de Joaquim Barbosa saltam aos olhos. Também aqui, só não vê quem não quer. Substituir, sem a menor previsão legal para isso, o juiz de execuções penais por outro mais rigoroso (!) é expediente típico de regimes de exceção (aqui). Não ficamos nisso: de exceção também é a junta médica escolhida por Barbosa para avaliar o estado de saúde de Genoíno, publicamente anti-petista, conforme se viu. Tantos desmandos que mereceram repúdio da própria magistratura, seja através do presidente recém-eleito da Associação dos Magistrados do Brasil (aqui), seja através da nota pública da Associação Juízes para a Democracia (aqui), refutando, com todas as letras, o coronelismo no Judiciário.

Apesar disso, há quem aplauda Barbosa e o enxergue como heroi. Muita calma nessa hora: pugnar pela defesa de garantias fundamentais não significa pugnar pelos petistas. Não se pode aplicar a Constituição apenas quando convém, na ótica do "para meus amigos tudo, para os inimigos, os rigores da lei" (se nem a própria lei é respeitada). Aquele que aplaude um Direito de exceção contra os petistas "mensaleiros" pode, quando menos perceber, ser vítima, ele próprio, de um Direito de exceção.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...