"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles

21/01/2020

Sobre a absurda denúncia contra Glenn Greenwald


A denúncia contra Glenn Greenwald, feita pelo Ministério Público Federal (MPF) do Distrito Federal nesta terça-feira (21/01), é uma clara retaliação contra o trabalho jornalístico feito pelo The Intercept, que tem exposto os desmandos do lavajatismo.

O jornalista estadunidense foi elencado como participante de associação criminosa (!) ao lado dos hackers que acessaram o conteúdo telemático de Moro, Dallagnol e outros. É um absurdo que parece desconsiderar que "é resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional" (art. 5º, XIV da Carta).

Mais do que isso, Gilmar já proibira, sob tal fundamento, que se investigasse Greenwald por esses fatos. O que o ilustre procurador da República Wellington Divino Marques de Oliveira faz? Alega que Greenwald não foi mesmo investigado -isto é, a decisão de Mendes foi respeitada- e sim apenas denunciado! É um exercício retórico às raias do escárnio.

A malfadada denúncia só tem um destino: a lata de lixo da História. E viva a imprensa livre.

Na foto, o jornalista em foto de Adriano Machado/ Reuteurs (apud "O Globo").

Nenhum comentário:

Postar um comentário