"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles
Enquete: o público do blog. Qual o seu perfil?
Profissional de Direito
Estudante de Direito
Profissional de outras áreas
Estudante de outras áreas
Created with Survey maker

20/03/2020

Engels e dialética


A vida não é, pois, por si mesma, mais que uma contradição encerrada nas coisas e nos fenômenos, e que se está produzindo e resolvendo incessantemente: ao cessar a contradição, cessa a vida e sobrevém a morte.

Trecho de Friedrich Engels no clássico "Anti-Dühring", 1878. A imagem é o pensador alemão em seus 20-25 anos.

Esta é a riqueza do método dialético: compreender a vida -e por extensão o universo, o físico e o "de dentro"- como algo que está se produzindo e resolvendo incessantemente (e justamente por ser incessante, ao contrário do que Engels diz a morte não é o fim das contradições; afinal há os processos biológicos sobre a matéria decomposta, sem que precisemos entrar nas teses acerca do destino da psique etc.). É uma espiral, não uma linha reta "positivista". Já os binários, aqueles que só conseguem enxergar A ou B, ficam perdidos diante desse fluxo ininterrupto e contraditório. O mundo deles é simplório e cinza.

Digressões de uma sexta-feira em quarentena. E vocês, têm lavado as mãos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também: