"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles

26/03/2020

Sobre eloquência e retórica


O que se chama eloquência no fórum geralmente é retórica no estudo. O orador se entrega à inspiração de uma ocasião passageira, e fala à multidão diante dele, fala aos que podem ouvi-lo; mas o escritor, que tem como ocasião sua vida mais constante, e que se distrairia com o momento e a multidão que inspiram o orador, fala ao intelecto e ao coração da humanidade, a todos em qualquer época que podem entendê-lo.

Thoreau em "Walden", tradução de Denise Bottmann. Os grifos são do original.

O trecho bota em comparação a eloquência, falada, e a retórica escrita. Enquanto esta é meditada e estática, aquela é fruto do calor do momento diante de uma plateia de ocasião. Não entrarei no mérito acerca da superioridade de uma sobre a outra: entendo que ambas são artes dominadas por poucos. Pouquíssimos ainda conseguem conjugá-las. Lembro de um professor da faculdade de Direito que nomeava os grandes tribunos brasileiros, em sua opinião, aqueles que falavam e escreviam bem: Ruy Barbosa, Carlos Lacerda e um terceiro cujo nome não recordo. Coisa para poucos, em todo caso.

A propósito: eloquência no fórum, pra quê? Se os votos já estão prontos há muito e a sustentação oral na tribuna é simples teatro. Falaremos mais disso. A imagem do post é o discurso de Marco Antônio no funeral de César, por George Edward Robertson (1864-1926).

Nenhum comentário:

Postar um comentário