"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles
Enquete: o público do blog. Qual o seu perfil?
Profissional de Direito
Estudante de Direito
Profissional de outras áreas
Estudante de outras áreas
Created with Survey maker

23/11/2020

De censura na rede

facebook internet mark zuckerberg censura web

Tenho visto muita gente reclamando de bloqueios, considerados injustos, no Facebook. Realmente causa estranheza porque observamos de tudo pelas redes e ficamos sem entender qual é exatamente o critério. Em alguns casos há um evidente rigor exagerado, como quando a punição se dá por uso de palavras ou certas imagens consideradas sensíveis  — como mamilos femininos, meu Deus, no séc. XXI os bots seguem perseguindo isso. Já em casos explícitos de, digamos, homofobia, racismo e outras amenidades, ao contrário, nem sempre cai a mão pesada do "censor" facebookiano. Eu já tive o desprazer de denunciar muito conteúdo execrável na rede, em vão. "Analisamos a foto que você denunciou e descobrimos que não viola nossos Padrões da Comunidade" e blá-blá-blá. 

Justiça seja dita, as redes têm tentado acompanhar de perto o fluxo de chorume que passa por elas. Às vezes com atraso  — foi preciso o zapgate de Bolsonaro para que a plataforma e a Justiça Eleitoral se mexessem. Fake news grassam há tempos no Facebook e hoje já há mecanismos de controle. Nunca com segurança absoluta, é verdade. E este ponto é crucial: as redes são poderosíssimos empreendimentos transacionais, muito bem remunerados (Mark Zuckerberg chegou aos 100 bilhões de dólares em 2020). Têm o dever, portanto, de tornar o ambiente virtual mais seguro e idôneo. Não é um favor ou benesse. Ao contrário, essa responsabilidade é inerente à atividade, faz parte dela.

Ah, a dialética da vida. Há o preto e há o branco, mas também os diversos tons de cinza. Tudo depende do ângulo. Digo isso porque esse maior controle sobre o conteúdo postado em redes sociais pode dar azo a certa censura política. Os alucinados de extrema-direita que se queixam do inquérito das fake news do STF recorrem a esse argumento, como se houvesse por trás disso o intuito de cercear a liberdade de expressão. Calma lá. Liberdade de expressão é uma coisa, mentir e caluniar outra bem diferente. Apenas feladaputas dolosamente misturam as coisas. É fato que o combate à mentira pode, tangencialmente, ser utilizada para censura política, mas são riscos necessários e uma sociedade madura deve saber enfrentar isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário