"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles
Enquete: o público do blog. Qual o seu perfil?
Profissional de Direito
Estudante de Direito
Profissional de outras áreas
Estudante de outras áreas
Created with Survey maker

10/01/2021

As coisas não vão bem para Fux na presidência do STF

fux stf brasil judiciário corte ministro

As coisas não vão bem para Fux em seu primeiro ano como presidente do Supremo, temos lido por aí. Insatisfação dos pares, acusações de autoritarismo e assim por diante. A exoneração do médico servidor que pediu por ofício aos laboratórios prioridade para a corte e seu integrantes na vacinação contra covid também pegou muito mal — claro, o pedido de prioridade é odioso, mas o sujeito só pôde ter feito assim com o aval ou, melhor ainda, ordem direta, de seus superiores. E o superior é Fux, vejam só, a autoridade máxima da corte. Pulou fora da responsabilidade e puniu o subordinado. Não é coisa de uma justiça tão suprema, digamos.

No post Fux presidente do STF. E estertores de um estranho ano. eu comentei o discurso de posse do ministro. Muitos pontos interessantes, ao menos no papel — afinal todo discurso de posse é permeado de belas promessas e tiradas poéticas, que geralmente se chocam retumbantemente contra os rochedos da vida real. Coisas temerárias, por outro lado, como o lavajatismo renitente,  e isso mesmo após tantas críticas da comunidade jurídica internacional e mesmo após as revelações do "The Intercept Brasil". Causa estranheza também, para não falar medo, os tais "juízos 100% digitais". Parece-me que os jurisdicionados brasileiros, advogados inclusive, não têm condições hoje de acompanhar um formato integralmente eletrônico. Tenho falado no blog sobre isso.

Bem, ser presidente — do clube de futebol de botão do bairro até as cortes superiores, passando pelas grandes empresas — exige determinadas características. Nem todos têm vocação e aptidão para isso, e eis Jair que não me deixa mentir. No caso do Supremo seria algo, em verdade, muito mais fácil: apenas um coordenador de trabalhos, como disse Gilmar, afinal todos são iguais e o presidente não tem primazia enquanto membro sobre os demais. Mas ao que parece nem nesse suave mister Fux tem se saído bem. É verdade que a natureza da corte não ajuda, afinal são onze vaidades se emulando entre si. Difícil coordenar isso, aquiesço.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário