"O direito é criado pelo homem, é um produto tipicamente humano, um artifício sem entidade corporal, mas nem por isso menos real que as máquinas e os edifícios." - Gregorio Robles

17/07/2021

Não é sobre urna eletrônica e sim sobre criar confusão

eleições eleitoral barroso bolsonaro urna eletrônico voto democracia

Leio em Streck (aqui) sobre o sabão que o presidente do TRE-RS, desembargador Arminio José Abreu Lima da Rosa, aplicou em Jair Bolsonaro. O ponto é o contumaz ataque bolsonarista às urnas eletrônicas e à lisura do processo eleitoral. A corte eleitoral gaúcha emitiu a seguinte nota:

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul vem a público manifestar, com veemência, Nota de Repúdio em virtude das recentes declarações prestadas à imprensa pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, ao afirmar que as eleições gerais realizadas no Brasil no ano de 2014 teriam sido fraudadas pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Novamente, o mandatário do mais alto cargo eletivo do país - ocupado através do voto popular obtido nas urnas eletrônicas em 2018 - atacou o processo eleitoral brasileiro, desta vez imputando à Justiça Eleitoral a prática de atos violadores do sistema de votação, sem indicação de quaisquer provas.

A Justiça Eleitoral brasileira não é composta por urnas eletrônicas, mas sim por servidores públicos que dedicam suas vidas à efetivação da democracia brasileira por meio de eleições íntegras, reconhecidas internacionalmente. A urna é apenas um componente em meio ao ecossistema de segurança que circunda o processo de votação. Uma acusação tão grave à Justiça Eleitoral alcança milhares de servidores e seus familiares, colocando em xeque a abnegação dos comprometidos brasileiros que representam esta Justiça.

(...)

O inteiro teor pode ser lido aqui

Pois é. O bolsonarismo encarna tudo que há de mais obscurantista — é terraplanista, é anti-vacina, é anti-ciência, enxerga conspirações comunistas em cada esquina. Tudo dentro do script do fascismo "arquetípico" do primal texto de Eco. É incrível que diante de tantos sintomas ainda haja quem se negue a enxergar fascismo no governo Bolsonaro. Pensam que fascismo é apenas suásticas e braços direitos estendidos, "Sieg Heil" e assim por diante. Mas é menos uma questão estética e mais de mentalidade, de padrões de comportamento e de visão de mundo. Reporto-me ao texto de Eco: fala-se em uma "nebulosa", no sentido astronômico, fascista, uma nuvem mais ou menos densa de pulsões psicológicas.

Voltando às urnas eletrônicas. É um sistema amplamente auditável, sob escrutínio de observadores internacionais, dos partidos — os principais interessados, a princípio — e demais instituições. Nunca houve notícia de fraude, salvo problemas pontuais em alguns aparelhos, o que, obviamente, não teria o condão de "melar" nenhuma eleição. Os bolsonaristas têm sido eleitos via urnas eletrônicas. Fraude em que o fraudado vence? Se não faz sentido, é porque o apelo ao irracional integra a nebulosa fascista. Experimente discutir mamadeira de piroca. 

Li no Facebook uma boa tirada: se o voto fosse em papel o bolsonarismo estaria fazendo pressão pelo voto eletrônico. Porque não se trata de preocupação com a lisura do pleito. E sim de jogar para a plateia e ganhar no grito. Vale dizer, o que querem é tumultuar e criar confusão. O pleito de 2022 será a grande prova de fogo da solidez da democracia brasileira — que, ainda que limitada, defeituosa e a serviço das classes dominantes, segue sendo o mais avançado que temos até aqui. Não podemos aceitar o retrocesso civilizatório.

Nenhum comentário:

Postar um comentário